Hepatite C e os benefícios do café

Em todo mundo, cerca de 50% dos pacientes que falharam num tratamento para hepatite C, usam alguma forma de terapia alternativa ou complementar.  Talvez, no Brasil, seja maior o percentual. Temos uma flora exuberante e muita familiaridade com chás.

Contudo, nem todas as terapias alternativas são iguais.  Do ponto de vista científico, existem poucos testes controlados randomizados para orientarem os clínicos em busca dessas respostas.  Para os pesquisadores na área da Saúde, os testes controlados randomizados (aleatórios) são o padrão-ouro para obtermos dados confiáveis em busca da efetividade e da segurança.

Ultimamente, existe um crescente corpo de dados científicos que apoiam o uso do café nas doenças do fígado.  Contudo, essa tão apreciada bebida tem sido sempre foco de muita polêmica: ora surgem notícias recomendando seu uso, ora surgem notícias alertando para eventuais problemas de seu consumo, particularmente em excesso.

Recentemente, o Dr. Mark Sulkowski, um respeitado pesquisador em hepatite C, fez uma análise que trouxe esperanças para os apreciadores da bebida: ” a realidade, diz o cientista, é que o consumo do café tem sido relacionado à vários benefícios potenciais para a saúde – risco menor de diabetes,  de demência e, sim, de doença hepática. O café contém mais de 1.000 componentes; um ou mais dos quais são responsáveis pelos benefícios para o fígado, em pacientes com lesão por álcool ou nas hepatites virais.  Os benefícios incluem, continua o cientista, a diminuição em marcadores da progressão da doença no fígado e em reduções nos riscos para fibrose (“cicatrizes que endurecem o fígado”) e  queda no risco de câncer no fígado.” Lembremos que a evolução da fibrose, com seu progressivo aumento conduz à cirrose.

Na verdade, estudos epidemiológicos indicaram que existe uma relação de causa e efeito associada com o consumo de café e seus benefícios para o fígado!  Num estudo comparando pacientes infectados com o vírus C, aqueles que tomavam três xícaras de café por dia ou mais, tiveram o maior benefício.  Por fim, a recomendação é a utilização de café filtrado (“passado”) pois o filtro remove o cafestol e o kahweol, duas substâncias encontradas no café que podem aumentar o colesterol.

Acrescento que é fundamental manter um “estilo de vida” saudável para o fígado: nada de álcool, praticar exercícios diários, manter um peso saudável, evitando as tenebrosas frituras e, portanto, tendo uma dieta com poucas gorduras e pouco colesterol.

Como se vê uma boa notícia para os portadores de hepatite C – tome mais um saboroso café, meu amigo! 

Sparvoli

Sobre Antonio Sparvoli

Médico. Gastroenterologista. Mestrado e Doutorado. Professor Titular da Fundação Universidade Federal de Rio Grande.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s