Hemorragia digestiva

A Hemorragia Digestiva continua a ser uma emergência médica comum e está associada a uma taxa de mortalidade elevada. As hemorragias digestivas referem-se ao sangramento com origem em qualquer ponto do trato gastrointestinal. Podem variar desde hemorragia microscópica prolongada a hemorragia aguda massiva, potencialmente ameaçadora à vida. Classificam-se em hemorragias gastrointestinais alta ou baixa de acordo a origem anatômica do sangramento.

A hemorragia digestiva alta representa um custo elevado para o Sistema de Saúde. Nos Estados Unidos, a prevalência da é de, aproximadamente, 170 casos por 100000 de adultos, por ano, com um custo total estimado em 750 milhões de dólares Em nosso meio, a HDA não varicosa, isto é, aquela que não se deve a sangramento de varizes esofágicas, tem, como causa mais comum, a doença ulcerosa péptica, responsável por 50% a 70% dos casos.

As hemorragias gastrointestinais constituem um problema de saúde significativo, em particular as agudas, com diversas causas, algumas delas relacionadas com comportamentos muito prevalentes na sociedade, tais como, o consumo de anti-inflamatórios não-esteróides e ácido acetilsalicílico, alcoolismo e tabagismo, além do envelhecimento da população.

A hemorragia por varizes esofagogástricas, uma complicação da hipertensão portal em pacientes com cirrose, é responsável por 10-30% de todos os casos de hemorragia digestiva alta.

A hemorragia digestiva pode se exteriorizar sob a forma de:

  • hematêmese: vômitos com sangue. Na hemorragia digestiva alta.
  • melena: eliminação de sangue digerido, tipo “borra de café, ou “piche”, com odor muito fétido. Habitualmente, na hemorragia digestiva alta. Originada do esôfago, estômago ou duodeno. A endoscopia digestiva alta é o exame fundamental.
  • hematoquezia (sangue vivo nas fezes). Usualmente, na hemorragia digestiva baixa. Costuma envolver o intestino delgado ou o intestino grosso. A colonoscopia é o exame primordial.
  • de forma oculta ou ainda como sintomas decorrentes da perda de sangue ou anemia.

As manifestações clínicas dependem de vários fatores, dentre os quais destacam-se a localização do sangramento e sua relevância determinada pelo volume, velocidade e duração da perda sangüínea.

Informe-se: o sangramento digestivo eventualmente pode estar relacionado com situações clínicas graves. Fique atento!

Sparvoli

Sobre Antonio Sparvoli

Médico. Gastroenterologista. Mestrado e Doutorado. Professor Titular da Fundação Universidade Federal de Rio Grande.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s