Antiinflamatórios – usos e abusos

Os Antiinflamatórios não-esteroidais (AINEs) correspondem a um grupo de remédios  com ação analgésica, antitérmica e antiiflamatória.  São muitíssimo usados, seja por indicação de profissional de saúde, seja por automedicação ou recomendação de amigos e familiares.  Isso ocorre pela facilidade de acesso que a população tem a esses remédios e pelo efeito sintomático muito efetivo que esses remédios apresentam.  O protótipo dessa família é o ácido acetilsalicílico (AAS) prescrito  há mais de 100 anos.  Apesar da variabilidade química – mais de 20 antiinflamatórios foram sintetizados a partir de 1960 – esse grupo de remédios tem utilidade e efeitos colaterais comuns.

AINEs são usados diariamente por 30 milhões de pessoas em todo o mundo, particularmente nos mais idosos. Eles proporcionam melhorias na qualidade de vida, ao diminuirem vários tipos de dor e problemas de mobilidade.  O efeito é forte e rápido o que torna o seu uso muito atrativo.   Contudo, esses remédios agridem a mucosa digestiva (funciona como uma barreira protetora), provocando uma maior vulnerabilidade do aparelho digestivo a agentes agressivos.

Os efeitos colaterais mais comuns são:

  • úlceras;
  • lesões agudas da mucosa gastroduodenal,
  • lesões agudas da mucosa do intestino delgado e intestino grosso.
  • podem desencadear, agravar ou recidivar (“recaída”) a doença do refluxo gastroesofágico, a colite ulcerativa inespecífica.
  • podem complicar a cirrose, desencadeando uma ascite (“água na barriga”) e insuficiência renal.
  • hepatite medicamentosa.

A úlcera péptica ocorre em 20% dos usuários de AINEs, com risco 50 vezes maior para a úlcera no estômago e 10 vezes maior para a úlcera no duodeno.  Aumentam o risco de complicações das úlceras, como as perigosas hemorragias digestivas e a temível perfuração da úlcera (literalmente a úlcera se aprofunda tanto que provoca um “furo” na parede do estômago ou duodeno).  Os AINEs: retardam a cicatrização das úlceras; facilitam a volta (“recidiva”) das úlceras.  Os AINEs podem provocar a ulceração sem permitir que o paciente perceba o que lhe está acontecendo (60 a 85% dos pacientes são assintomáticos – não tem sintomas – o que nos possibilita dizer que os AINEs “mascaram” os sintomas ulcerosos habituais).  São contra-indicados nas gestantes.

Não se automedique. Oriente-se com seu médico ou farmacêutico.

Sparvoli

Em tempo: não confunda antiinflamatórios (analgésicos, antitérmicos e antiinflamatórios) com antibióticos (esses combatem as infecções bacterianas).

Em tempo 2: recorde abaixo a sua anatomia do aparelho digestivo.

Sobre Antonio Sparvoli

Médico. Gastroenterologista. Mestrado e Doutorado. Professor Titular da Fundação Universidade Federal de Rio Grande.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Antiinflamatórios – usos e abusos

  1. Nao se auto-medique! Converse com seu medico sobre outras alternativas para o seu caso! Saude.
    Sparvoli

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s