Enxaqueca

A enxaqueca é uma doença multifatorial (“várias causas”). Atuam fatores genéticos, ambientais (cigarro, poluição, variação climática, odores de perfumes e produtos químicos), hormonais, comportamentais (alto grau de exigência, oscilação do humor, irritabilidade, ansiedade, depressão), sono (muito ou pouco). Não existem evidências científicas de que a enxaqueca seja causada por doenças hepáticas.  Conheci vários casos de pessoas com enxaqueca que sempre acreditaram no fígado como culpado por seus sintomas (mito!).  Essa crença equivocada origina-se em cultura popular bem antiga, transmitida por gerações dentro das famílias e por isso bem difícil de terminar.

A origem da palavra enxaqueca é árabe, e significa meia cabeça, enquanto o seu sinônimo, migrânea, vem do grego antigo (hêmikraníon), “metade do crânio”.  Assim, por que a dor de cabeça típica da enxaqueca afeta um lado da cabeça

Esse tipo de cefaleia (“dor de cabeça”) é caracterizado por dor pulsátil, latejante.  Pode gerar incapacidade para realização de atividades cotidianas. Costuma durar de 4 a 72 horas. Os sintomas incluem náusea, vômito, fotofobia (sensibilidade aumentada à luz), e fonofobia (sensibilidade aumentada a sons). As pessoas preferem recolher-se ao quarto, mantendo-o escuro e em silêncio. Os sintomas são agravados por atividade rotineiras. Aproximadamente 1/3 das pessoas que sofrem de enxaqueca percebem uma áurea – experiências incomuns visuais, olfativas, e de outros sentidos que são um sinal de que a enxaqueca ocorrerá em breve.  A enxaqueca é mais comum em mulheres.

A enxaqueca resulta da pressão exercida por vasos sanguíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão.

A enxaqueca  tem formas ditas com aura e sem aura. A aura seria um fenômeno neurológico específico, como a ocorrência de escotomas (é uma região do campo visual que apresenta perda total ou parcial da acuidade visual, rodeada de uma outra região em que a visão normal está preservada), alterações visuais, que em geral precedem em minutos o aparecimento da dor. Nem sempre esse tipo de alteração ocorre – daí a ocorrência da chamada enxaqueca sem aura, por sinal mais comum.

A enxaqueca é um quadro clínico que traz muito sofrimento ao seu portador. Como tal, deve ser respeitado!

Sparvoli

Sobre Antonio Sparvoli

Médico. Gastroenterologista. Mestrado e Doutorado. Professor Titular da Fundação Universidade Federal de Rio Grande.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s