Ansiedade (2)

Modernamente, são reconhecidos seis tipos de Transtornos de Ansiedade. Vejamos três transtornos importantes:

  • Fobia específica: é o medo de um estímulo ou de determinada situação, como andar de elevador, viajar de avião, entrar na água, dirigir etc. A pessoa tem uma crença subjacente de que a coisa em si é uma ameaça: o elevador pode cair, o avião pode ter um acidente, uma cobra pode morder.  Pouco mais de 10%  das pessoas apresentam alguma fobia, embora uma quantidade maior possa ter medos exgerados e irracionais desencadeados por estímulos variados.
  • Transtorno do pânico: situação de extremo desconforto diante das próprias reações fisiológicas e psicológicas a um evento desencadeante – em essência, medo de um ataque de pânico e medo de morrer.  O paciente pode ter respiração alterada, acelerada, aumento nos batimentos cardíacos, vertigens, suores ou tremores e os interpreta como sinais de um colapso iminente, insanidade (“estou enlouquecendo?’) ou morte.  Para não conviver com essas sensações a pessoa tende a evitar as situações (por exemplo: ir ao super-mercado, viajar) que acredita poderem deflagar essas reações, o que pode lhe limitar gravemente  a mobilidade.
  • Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC): caracterizado por pensamentos recorrentes ou imagens (obsessões) estressantes – por exemplo, a pessoa teme ser contaminada, perder o controle em público, cometer um erro ou se comportar de maneira errada.  Para escapar disso, tem uma necessidade imperiosa e urgente de realizar certas ações (compulsões que, em sua fantasia, neutralizarão esses pensamentos invasivos: lava-se repetidamente; realiza rituais, faz verificações muito frequentes etc. Normalmente trata-se de ideias exageradas e irracionais de saúde, higiene, organização, simetria, perfeição ou manias e “rituais” que são incontroláveis ou dificilmente controláveis. O transtorno, em geral, leva à depressão e afeta cerca de 3% da população.

Frequentemente as pessoas acometidas por este transtorno escondem de amigos e familiares essas ideias e comportamentos, tanto por vergonha quanto por terem noção do absurdo das exigências autoimpostas.

Saiba que essess problemas fazem parte de um quadro psicológico tratável e cada vez mais responsivo a medicamentos específicos e à psicoterapia. 

Sparvoli

Sobre Antonio Sparvoli

Médico. Gastroenterologista. Mestrado e Doutorado. Professor Titular da Fundação Universidade Federal de Rio Grande.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s