Mãos

Mãos que acariciam, dão adeus, sinalizam alô, defendem, atacam, indicam paz e amor e todos as coisas maravilhosas (e algumas nem tanto…) que vemos todos os dias.  Por outro lado, existe um outro mundo invisível canalizado pelas mãos.  Precisamos estar cientes do mundo microbiano que flui pelas mãos.  Sem ficarmos neuróticos, excessivamente assustados ou preocupados em demasia, temos que saber dos eventuais riscos de transmissão de doenças pelas mãos.  Entretanto, existe um método de extrema utilidade, que basta lembrar e usar como eficiente arma contra esse problema – a lavagem das mãos. Um aspecto muito importante é a duração da lavagem.   O CDC (Center for Disease Control, importante órgão de controle de doenças dos Estados Unidos) recomenda que se deve ensaboar e esfregar as mãos por cerca de 20 segundos, o tempo que se leva para cantar “Happy Birthday”, por duas vezes.

A lavagem de mãos apropriada é a melhor medida única para prevenir resfriados, gripes e muitas outras doenças infecciosas.   A combinação do sabonete com a água, juntamente com a fricção de  esfregar as mãos, elimina a sujeira e cria uma superfície deslizante para os germes “caírem fora”.  Você deve lavar as mãos frequentemente nas seguintes situações (eu sei que você sabe, mas não custa lembrar):

  • Antes e depois de comer ou de preparar comida, particularmente carne crua, peixe e ovos (são excelentes meios de cultura bacteriana – um ponto para os vegetarianos!).
  • Depois de usar o toalete – não preciso explicar por que, não é?
  • Depois de assoar o nariz – a “meleca”, sabe?
  • Depois de trocar fraldas.
  • Depois de brincar com animais de estimação ou limpar seus dejetos.
  • Antes e depois de tocar alguém que está doente.  Esse é um conselho válido sempre, mas particularmente para os profissionais de saúde e estudantes da área (medicina, enfermagem, fisioterapia, odonto e etc…).  Todos que transitam nos ambientes hospitalares devem ter a lavagem correta das mãos como preceito sagrado.
  • Antes e depois de tratar um ferimento. Óbvio.
  • Antes de colocar lentes de contatos. Lembra quando sua mãe dizia: “não esfregue os olhos, meu filho!” Aquela santa senhora tinha toda razão.
  • Depois de praticar jardinagem.

Em relação à temperatura da água, existe pouca pesquisa.  Mas sugere-se que a temperatura da água não teria um efeito significativo em reduzir as bactérias em condições normais de limpeza das mãos.  Um lado “fraco” da água quente é que pode irritar a pele.

A secagem das mãos reduz os níveis de bactérias adicionalmente. Discute-se qual o melhor: papel, toalhas de pano ou secadores com ar-quente.  Alguns estudos sugerem não existir diferença entre os métodos. Alguns indicam a toalha de papel.  O fundamental é ter certeza que a mão está completamente seca.  Mãos que permanecem úmidas transferem ou recebem bactérias com maior facilidade.

O uso de álcool-gel é uma opção conveniente quando água e sabão não estão disponíveis.  Mas sempre dê preferência, quando possível, para a velha água e o bom sabão.  O álcool-gel mata a maioria das bactérias e vírus ao contato, mas não esporos bacterianos. Procure produtos que tenham, no mínimo 60% de álcool. Espalhe uma quantia do álcool-gel, do tamanho de uma moeda de um real, sobre todas as superfícies de seus dedos e mãos e esfregue até secar.  Contudo, sujeira, alimentos e outros resíduos sobre suas mãos tornam o álcool menos efetivo. Assim, se suas mãos estão visivelmente sujas ou gordurosas, é melhor lavá-las.

Os sabonetes antibacterianos não são recomendáveis para o uso rotineiro domicilar.  Esses sabonetes contem agentes antibacterianos (a maioria das vezes o triclosan) que matam ou inibem as bactérias, assim como ajudam a removê-las fisicamente. Todavia, existe preocupação que tais sabonetes possam contribuir para o crescente problema da resistência bacteriana, a qual está tornando muitos antibióticos essenciais inefetivos.  Adicionalmente, embora o triclosan não seja considerado perigoso para os humanos, estudos em animais de laboratório demonstraram que ele pode ter efeitos prejudiciais aos hormônios.  O poderoso FDA americanos está revisando a segurança do triclosan.

Lembre-se: a água e o sabão são tudo o que você precisa. Interrompa a cadeia de transmissão de germes e seja saudável!

Sparvoli

 

Sobre Antonio Sparvoli

Médico. Gastroenterologista. Mestrado e Doutorado. Professor Titular da Fundação Universidade Federal de Rio Grande.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s